Refugiados sírios no Líbano sofrem grande impacto pela crise econômica e da COVID-19

08.02.2021 - PAX

This post is also available in: Inglês

Refugiados sírios no Líbano sofrem grande impacto pela crise econômica e da COVID-19
Lançando uma ampla rede para ajudar os refugiados sírios no Líbano. (Crédito da Imagem: Creative Commons Attribution 2.0 Generic license)

A situação no Líbano vem se deteriorando de maneira progressiva e a estimativa é de que ainda piorará muito mais. Os refugiados sírios estão entre os que se encontram em pior condição. A Coalizão de Vigilância de Proteção a Refugiados (Refugee Protection Watch Coalition – RPW), da qual a PAX faz parte, entrevistou centenas de refugiados sírios e membros das comunidades de acolhimento no Líbano. O relatório seguinte apresenta, de maneira resumida, o enorme impacto das crises atuais que estão em curso no Líbano – econômica e pela COVID-19 – e apresenta algumas recomendações-chave.

A crise financeira e os confinamentos por causa da COVID-19 paralisaram a economia. A inflação da moeda local levou ao aumento do preço das mercadorias e dos serviços para muitas pessoas. Nos últimos meses, mais da metade da população libanesa caiu abaixo da linha da pobreza e o Ministério dos Assuntos Sociais declarou que 70% da população libanesa logo irá necessitar de ajuda. As tensões entre as comunidades marginalizadas e o governo libanês estão aumentando a cada dia devido ao recente prolongamento do confinamento total imposto pelo governo, que foi prolongado até, pelo menos, dia 8 de fevereiro. Enquanto a população libanesa continua a sofrer por causa da negligência da classe política dominante, os refugiados sírios no Líbano – uma comunidade que já se encontrava em situação precária antes da crise econômica – estão agora ainda mais vulneráveis do que nunca, enfrentando crescentes riscos em relação às suas necessidades básicas, bem como sua segurança pessoal.

Refugiados carecem das necessidades básicas

Este relatório descreve o enorme impacto das atuais crises econômicas e pela COVID-19 que estão avançando no Líbano. Ele documenta a falta de acesso dos refugiados sírios à assistência relacionada à COVID-19 e uma maior pressão para que eles retornem à casa em um momento em que, claramente, não existem as condições para um retorno seguro, voluntário e digno.

O relatório está baseado em rodas de conversas que a RPW teve com 428 sírios e libaneses, entre 15 de dezembro de 2020 a 15 de janeiro de 2021. Alguns dos principais aspectos incluem:

  • Ausência de renda: para 8% e 77% dos participantes libaneses e sírios, respectivamente, sua renda não cobre o custo de vida. Além disso, convém salientar que, com o inverno em plena marcha, quase nenhum dos entrevistados pela RPW (somente 4,6%) relatou que pode comprar itens essenciais de inverno, como combustível e roupa de frio.
  • Ausência de empregos e de autorizações de trabalho: quase um terço dos participantes (28,8% dos libaneses e 29,8% dos sírios) não consegue trabalho no seu setor. 43.8% dos participantes sírios ainda encontram dificuldade em conseguir uma autorização de trabalho.
  • Ausência de proteção contra a COVID-19: perante o cenário de contínuas práticas discriminatórias contra os refugiados sírios na distribuição da assistência à COVID-19, 88,2% de todos os participantes relatou que não possuem acesso adequado ao tratamento contra a COVID-19 ou à assistência de saúde, caso sejam contagiados com o vírus.
  • Ausência de acesso à vacina contra a COVID-19: enquanto o Ministro de Saúde Pública libanês declarou recentemente que a vacina será distribuída a todos igualmente, o formulário de registro mais recente proposto pelo ministério para o programa de vacinação do consórcio COVAX, liderado pela Organização Mundial da Saúde (OMS) no Líbano, requer que todo sírio que deseje se registrar para receber a vacina deve ter um formulário de documentação válida. Ainda resta saber que tipo de prioridade terão os refugiados na campanha de vacinação do consórcio COVAX e que tão acessível ela será em termos de localização, já que a maioria dos refugiados sírios vive em áreas mais rurais ou suburbanas, ou em zonas em torno delas.
  • Pressão pelo retorno: 74,4% dos participantes sírios relatou que sente uma maior pressão para que retornem à Síria. Essa maior pressão pelo retorno dos sírios tem, como pano de fundo, esforços para iniciar a organização dos retornos em larga escala – incluindo a recente organização de uma “conferência de retorno” em Damasco e o desenvolvimento de um “plano de retorno” pelo governo do Líbano – em um momento em que, claramente, não existem as condições para um retorno seguro, voluntário e digno, conforme previamente relatado pela RPW e por muitas outras organizações.

 

Traduzido do inglês por Graça Pinheiro/ Revisado por Luma Garcia Camargo

Categorias: Migrantes, Oriente Médio
Tags: , , , , ,

Boletim diário

Digite seu endereço de e-mail para assinar o nosso serviço de notícias diárias.

Search

Whatsapp

Pressenza Whatsapp

Informe Pressenza

Informe Pressenza

Caderno de cultura

Caderno de cultura

O Princípio do fim das armas nucleares

Documentário 'RBUI, o nosso direito de viver'

Canale YouTube

International Campaign to Abolish Nuclear Weapons

International Campaign to Abolish Nuclear Weapons

Arquivo

xpornplease pornjk porncuze porn800 porn600 tube300 tube100 watchfreepornsex

Except where otherwise note, content on this site is licensed under a Creative Commons Attribution 4.0 International license.