Não à privatização do Banco Central do Brasil

16.02.2021 - Brasil - Redação Rio de Janeiro

Não à privatização do Banco Central do Brasil
(Crédito da Imagem: Agência Brasil)

Por Marcos Arruda*

 

Para quê um Banco Central?

Os bancos centrais são, por natureza, públicos, pois eles fazem a gestão da Política Monetária. E o objetivo desta política é, por natureza, o investimento na “economia real”, i.e. a parte da economia do Brasil que se ocupa do desenvolvimento socioeconômico e da produção de bens e serviços. O BC não tem a si próprio como fim, mas à garantia da quantidade de moeda e de sua circulação para o bem viver de todos. É a economia real que tem a finalidade de atender as necessidades do conjunto da população.

Em resumo: o BC deve ser público e deve operar a serviço do desenvolvimento socioeconômico do Brasil.

Gerador de Crise?

O BC brasileiro é público na teoria e privado na prática. Todo ano 12 mega agentes financeiros do Brasil e do exterior são escolhidos para definir os rumos da Política Monetária do país. E um dos mais graves fatores de crise financeira é a remuneração da sobra de caixa dos bancos, que é recolhida pelo BC em troca de títulos da dívida interna ricamente remunerados na forma de “operações compromissadas”. O BC tem colaborado decisivamente para o aumento da dívida pública, a oligopolização dos mercados bancário e financeiro e para a concentração do capital financeiro. O dinheiro deveria ser definido como bem público, que leva poder de compra aonde há necessidades – seu objetivo é intermediar as transações de bens e serviços, e não estagnar nos cofres dos mega ricos.

A quem serve?

Essa política, que inclui a política de endividamento público, a definição da taxa básica de juros e do spread (diferença entre a taxa de depósito e a taxa de empréstimo) tem sido instrumento de crescente centralização dos agentes financeiros e concentração do seu capital. Assim, o Brasil tem hoje apenas cinco mega bancos, sendo três privados, detendo 80% dos depósitos e dos empréstimos no país. E são apenas três as empresas de cartão de crédito detendo 90% das transações e 90% do plástico em circulação no país. Imaginem estes e outros mega bancos privados, cuja lógica é a acumulação de lucros em escala mundial, tomando decisões sobre Política Monetária que afetam toda a população do Brasil. É este quadro que caracteriza a financeirização da nossa economia.

Quem se beneficia com a privatização do Bacen?

Se os bancos privados de base brasileira e estrangeira já exercem tamanha influência no sistema financeiro do país, para que ainda quiseram privatizá-lo? Autonomia e independência em relação a quem? Ao Congresso brasileiro e ao poder de fiscalização e regulação do Estado brasileiro. Aqueles bancos querem se apropriar diretamente da arrecadação dos impostos do Brasil. E ganhar com a privatização sempre mais ampla e entreguista das estatais do país.

Não à autonomia/independência do Banco Central do Brasil!!!


* Economista e educador brasileiro

Categorias: Ámérica do Sul, Economia, Opinião
Tags: , , ,

Boletim diário

Digite seu endereço de e-mail para assinar o nosso serviço de notícias diárias.

Search

Whatsapp

Pressenza Whatsapp

Informe Pressenza

Informe Pressenza

Caderno de cultura

Caderno de cultura

O Princípio do fim das armas nucleares

Documentário 'RBUI, o nosso direito de viver'

Canale YouTube

International Campaign to Abolish Nuclear Weapons

International Campaign to Abolish Nuclear Weapons

Arquivo

xpornplease pornjk porncuze porn800 porn600 tube300 tube100 watchfreepornsex

Except where otherwise note, content on this site is licensed under a Creative Commons Attribution 4.0 International license.