A ponte

15.02.2021 - Bogotá, Colômbia - Gloria Arias Nieto

This post is also available in: Espanhol

A ponte
(Crédito da Imagem: Gloria Arias Nieto)

9 de fevereiro de 2021. El Espectador

 

Esquecer os mortos que a violência nos deixou é matá-los duas vezes; tirar deles seu direito de caminhar pela memória e condenar-nos a cometer os mesmos horrores. Não pudemos salvar-lhes a vida, mas podemos preservar a memória dos que se foram.

O esquecimento é uma agressão crônica e passiva contras as vítimas; e a memória – esse mar infinito e profundo – tem que ser patrimônio das pessoas. Por isso, o trabalho proposto pelo seu Gustavo, pai de Trípido, um jovem grafiteiro assassinado por um policial, é tão valioso. O Conselho Superior dos Direitos das Vítimas, Paz e Reconciliação, o IDARTES e o Centro da Memória têm acompanhado e liderado o projeto para honrar tantos jovens mortos pela violência de rua, pela violência institucionalizada, a proibida, a coonestada, a consentida… É preciso dizer que, no atual desgoverno nacional, os nomes que descrevem a violência são fortes e múltiplos, enquanto muito frágeis e solitárias são as ações destinadas a lhe dar um fim.

A Prefeitura de Bogotá fez com que a cidade, a paz e a arte de rua transformassem a frieza do cimento em relatos de cores para honrar os mortos causados pela violência policial, pelo conflito armado, a perseguição a líderes sociais e a maldade contra ex-guerrilheiros que aderiram ao Acordo de Paz também conhecido como Plano Colômbia.

A curadoria conjunta que foi realizada reuniu 26 artistas urbanos para retratar os 25 rostos de jovens assassinados, uma radiografia de uma dor impossível de reproduzir.

Esta cidade – capital da reconciliação – vive, cresce, respira, sofre e ressuscita 2.600 metros mais perto das estrelas: reconhece as vidas de quem deu tudo para romper os ciclos de violência; tem mais de 350.000 feridos de corpo ou alma pelas nossas guerras fratricidas.

Na Colômbia, a brutalidade policial não é norma de conduta, mas já cobrou tantas vítimas mortais! Não vamos permitir que as escondam debaixo do tapete. No dia 9 de setembro, morreram assassinados pela polícia 12 jovens que exerciam seu direito cidadão de protestar. E que nem o novo ministro da defesa, nem o novel presidente (cuidado para não confundir novo com Nobel) se surpreendam: na Colômbia, não é problema protestar nas ruas, nas praças; protestar sem violência e com presença da população em massa; e não… não vamos nos apertar como sardinhas em um “protestódromo”, porque somos vida, somos crítica, somos consciência, somos oposição, quando for necessário, e apoio, quando for merecido; somos voz e somos um montão de nostalgias revestidas por peles de diversas cores. E não… tampouco precisamos de mão de ferro. Urge receber mãos solidárias, mãos desarmadas – não desalmadas – mãos conciliadoras, que curem feridas e cumpram promessas.

Milhares de ex-combatentes, que entregaram as armas graças ao Acordo de Paz, seguem esperando que o governo o cumpra o que foi acordado e que a sociedade os acolha. Apesar de esse acordo ter sido feito pelo Estado, fica claro que manter a palavra não é o forte do atual inquilino da Casa de Nariño.

A ponte da Rua 80 é a primeira de um projeto de pedagogia pela paz. Remuneram-se os artistas urbanos e, além disso, ela fará em Bogotá o que Vladimir Rodríguez, um Alto Conselheiro para as Vítimas e o verdadeiro construtor da paz, chamou de um “Museu de Memória a Céu Aberto”.

Muitos jornalistas já foram lá deixar registrada sua homenagem. Soube que uma das repórteres gráfica, anos antes, havia sido guerrilheira do bloco oriental das FARC. Hoje – debaixo da ponte da memória, como fotógrafa dos COMUNES (o partido político das FARC) e comprometida com a paz – apontou para uma das imagens pintadas no cimento, preparou sua câmera e disparou o click… um fuzil, nunca mais.


 

Traduzido do espanhol por Graça Pinheiro / Revisado por José Luiz Corrêa

Categorias: Ámérica do Sul, Opinião, Paz e Desarmamento
Tags: , , , ,

Boletim diário

Digite seu endereço de e-mail para assinar o nosso serviço de notícias diárias.

Search

Whatsapp

Pressenza Whatsapp

Informe Pressenza

Informe Pressenza

Caderno de cultura

Caderno de cultura

O Princípio do fim das armas nucleares

Documentário 'RBUI, o nosso direito de viver'

Canale YouTube

International Campaign to Abolish Nuclear Weapons

International Campaign to Abolish Nuclear Weapons

Arquivo

xpornplease pornjk porncuze porn800 porn600 tube300 tube100 watchfreepornsex

Except where otherwise note, content on this site is licensed under a Creative Commons Attribution 4.0 International license.