Diplomacia da Arte entre as Coreias do Norte e do Sul pela Paz e Não Violência

29.01.2021 - Seul, Coreia - Bereket Alemayehu

This post is also available in: Inglês, Espanhol, Francês, Italiano, Alemão, Grego

Diplomacia da Arte entre as Coreias do Norte e do Sul pela Paz e Não Violência
“Peace, the wind blows” [Paz; uivam os ventos] uma exposição de arte especial com artistas norte e sul-coreanos. Foto de Bereket Alemayehu

Aí vamos nós! La la la…estamos no momento histórico do tempo em que vivemos neste planeta.

É um momento interessante. Em breve… o dia 22 de janeiro de 2021 anunciará um novo dia como um momento decisivo para a paz mundial, que acontecerá assim que o tratado sobre a proibição das armas nucleares entrar em vigor. Pessoalmente, estou a apenas alguns dias de ver a história acontecendo, graças às campanhas árduas e resistentes conduzidas para persuadir países e as mais altas autoridades para assinar e ratificar o Tratado sobre a Proibição de Armas Nucleares (TPAN). Ao mesmo tempo, é um momento empolgante, já que, provavelmente, estou a algumas horas, de onde vivo, de uma instalação onde são fabricadas artefatos nucleares, em Seul, capital da Coreia do Sul.

Tendo nascido na África e vivido longe de um estilo de vida altamente avançado e tecnológico, as vibrações na península coreana são muito diferentes e bem assustadoras no sentido de haver armas de destruição em massa por perto. Ambos os governos coreanos do norte e do sul ainda não assinaram o TPAN. Para esclarecer um pouco mais, moro em uma península relativamente pequena no Extremo Oriente do mundo. Mas a península coreana é muito tensa em termos de confronto armado, desde a Segunda Guerra Mundial e a era da Guerra Fria. Por um lado, a presença militar dos países mais poderosos é muito visível e o mundo está lidando com o regime mais isolado e ambicioso por armas nucleares, vale dizer, a Coreia do Norte.

Por outro lado, conviver na mesma península é bem interessante. É o lar de sociedades dinâmicas que compartilham muitos valores morais, sociais, culturas e econômicos em comum e possuem as tecnologias que podem alcançar milhões de pessoas instantaneamente, a fim de clamar por paz e união.

No ano passado, apesar da pandemia da COVID-19, que serviu como ameaça à ordem social normal, tive a oportunidade de participar da 2ª Marcha Mundial Pela Paz e Não Violência. Nos encontramos com os membros da equipe da base internacional da América do Sul e Europa, que chegou em Seul em janeiro de 2020. Um fórum público sobre os perigos de uma guerra nuclear foi realizado em colaboração com o Comitê Organizador Coreano para o Dia Internacional da Paz da ONU (Korean Organization Committee KOCUN-IDP). Um webinário sobre Paz & Reunificação e um tour em grupo até a Zona Desmilitarizada entre as Coreias (DMZ) foram organizados e conduzidos pela organização não governamental People for Successful Corean Reunification (PSCORE), que tem sede em Seul.

Como sempre, a diplomacia da arte tem feito parte dos esforços persistentes de paz entre os artistas das duas nações que coabitam a península coreana. O mais recente ganhou o título de “Peace, the wind blows” [Paz; uivam os ventos], uma exposição de arte especial feita em colaboração com artistas do Norte e do Sul. A mostra foi realizada no observatório do edifício Odusan Unification Tower, localizado no topo da montanha, de onde é possível avistar as áreas rurais da Coreia do Norte cruzando a intersecção com os rios Han e Imjin. A organização da exposição especial espera que a “cultura e arte derrubem a fronteira, abram as mentes e aprofundem a compreensão de cada lado. Esse poder será uma força motora de coexistência, superando e curando a dor da divisão e recuperando a homogeneidade da Coreia do Sul e do Norte. Além disso, esta exposição pode e servirá como uma ponte para unir as coreias do Norte e do Sul, que têm vivido de maneiras diferentes por mais de 70 anos após a liberação… espera-se que esta exposição seja o começo de uma troca substancial e de uma comunicação entre os artistas em Seul e Pyongyang como uma exposição regular.”

Por isso, estamos em meio a tanto entusiasmo, e muito em breve o mundo verá os frutos desses esforços gerados a partir de uma grande mudança nas Nações Unidas. Como artista e ativista social, gostaria de ver o mundo livre dos perigos nucleares e um basta na incessante corrida armamentista entre os países. Vou encerrar este artigo, incluindo um lindo trecho do site da Academy for Cultural Diplomacy [Academia pela Diplomacia Cultural] sobre o poder da arte:

Uma vez que todos podem participar da criação da arte e apreciá-la, ela é uma ferramenta poderosa que pode ser usada para aumentar a consciência e a compreensão dos problemas, promover diálogo e estabelecer vínculos entre os indivíduos de origens culturais e profissionais diversificadas. A experiência compartilhada de criar e experimentar a arte pode estabelecer relacionamentos humanos sinceros; relacionamentos que não podem ser rompidos por palavras ou ações alheias.” http://www.culturaldiplomacy.org/academy/index.php?en_acd_about

Saiba mais sobre a Campanha Internacional para a Proibição de Armas Nucleares (ICAN) em:

https://www.icanw.org/

Fotos: Bereket Alemayehu


Traduzido por Gabriela Assis Santos / Revisado por José Luiz Corrêa.

Categorias: Asia, Cultura e Mídia, Opinião, Paz e Desarmamento
Tags: , , , ,

Boletim diário

Digite seu endereço de e-mail para assinar o nosso serviço de notícias diárias.

Search

Whatsapp

Pressenza Whatsapp

Informe Pressenza

Informe Pressenza

Caderno de cultura

Caderno de cultura

O Princípio do fim das armas nucleares

Documentário 'RBUI, o nosso direito de viver'

Canale YouTube

International Campaign to Abolish Nuclear Weapons

International Campaign to Abolish Nuclear Weapons

Arquivo

xpornplease pornjk porncuze porn800 porn600 tube300 tube100 watchfreepornsex

Except where otherwise note, content on this site is licensed under a Creative Commons Attribution 4.0 International license.